Lambe-sujos X Caboclinhos: a tradicional batalha folclórica de Laranjeiras/SE.

16 out

O querido amigo, o jornalista Léo (Leonardo) Barreto está de volta ao “Miss”. Mais uma vez, com uma deliciosa história de Laranjeiras, município histórico, fundado em 1605, a aproximadamente 20 quilômetros de Aracaju. Há mais de cem anos, acontece na cidade a festa de Lambe-sujos e Caboclinhos, considerada uma das maiores manifestações culturais do Brasil. Uma vez por ano, no segundo domingo de outubro, o cortejo invade as ruas do pequeno município. O Léo esteve lá, na edição 2016 da festa, e veio contar pra gente  😉

Texto e fotos – Leonardo Barreto

________________________________________________

De volta ao reduto sergipano de manifestações  culturais, agora para participar  de umas das maiores festas do município  de Laranjeiras. Marcado por ter  a maior população  negra de Sergipe, Laranjeiras também  é conhecida por manter viva as tradições  do período  colonial, levando de geração  a geração  a cultura de um povo por muitos anos foi marcado pela escravidão.

lambe-sujos-laranjeiras-blogmisscheck-in

Seja no início, no meio ou no final do ano, as ruas históricas de laranjeiras têm sempre espaço para os cortejos folclóricos. No segundo domingo  de outubro quem dá cor à cidade é a manifestação  dos lambe-sujos e caboclinhos.

cortejo-larajeiras-lambesujos-caboclinhos-blogmisscheck-in

Seguindo  a tradição, a cidade é tomada por homens, mulheres e crianças, que se dividem em dois grupos: o dos lambe-sujos, representando os negros, e o dos caboclinhos, representando os índios.  O Cortejo retoma de forma lúdica as batalhas entre negros quilombolas e índios domesticados  pelos senhores de engenho  da época  do Brasil colonial.

cortejofolclorico-laranjeiras-blogmisscheck-in

A batalha é uma representação das investidas dos índios nos quilombos, a mando dos capitães-do-mato dos engenhos, aproveitando o fato dos indígenas conhecerem melhor a região. O objetivo era derrotar e aprisionar os negros escravos fugidos. Mostrando como era a luta do negro pela sua liberdade, acontece durante a festa o sequestro da rainha dos caboclinhos, o que motiva os combates.

caboclinho-blogmisscheck-in

A festa começa com uma alvorada às 4h da manhã e segue por todo o dia. O ponto alto é no final da tarde, com o enfrentamento dos grupos em que um vence o primeiro combate e o outro vence o segundo. Nessa brincadeira, quem sai ganhando mesmo é a cultura do nosso povo, que permanece viva atravessando os séculos.

larajeiras-caboclinhos-blogmisscheck-in

Pra ter acesso a toda essa riqueza cultural, é fácil, Laranjeiras fica distante da capital, Aracaju, apenas 24 km.

DE CARRO| Basta seguir pela BR-101 Norte, sentido Maceió, até o viaduto de acesso ao município.

DE ÔNIBUS| Há horários regulares, diariamente,  em micro-ônibus, partindo tanto da Rodoviária Velha de Aracaju, no centro da cidade, como da Rodoviária Nova, na Av. Tancredo Neves, ao lado do HUSE (Hospital de Urgência de Sergipe), na saída da cidade.

MAIS SOBRE LARANJEIRAS?

– Conheça o primeiro post do Léo sobre a cidade aqui.

– Almoço na roça, embaixo da Mangueiras, no Povoado Cedro, em Laranjeiras, no post sobre o Chiozinho, Rei do Pirão.

– Todas nossas dicas de Aracaju e Sergipe em Aracaju post a post.

– CONHEÇA NOSSO INSTAGRAM – @misscheck     você vai encontrar fácil nossas dicas de Aracaju, Sergipe e Alagoas nas hashtags:

#aracajunomiss

#sergipenomiss

Caminhos do Velho Chico

16 set

Existe um lugar que, por mais que se estique, a razão humana não toca. Um rio… com suas próprias vontades, senhor dos seus caminhos.

Silencioso, guarda em suas águas escuras os mistérios inexplicáveis de uma natureza indomável, corajosa. Pulsa em seu leito e enche de vida as vidas ribeirinhas.

barquinhos-no-velho-chico-em-piacabucu-al

Generoso, agreste, encantador. Reflete no espelho d’água a beleza do sertanejo. Testemunha da fartura e da estiagem. Companheiro incansável na riqueza e na pobreza.

É do cacto, do pó, do gado magro buscando água na sua ‘beira’, das lavadeiras com suas bacias, das fazendas verdes, reluzentes em desigualdade.

showdanatureza-al-blogmisscheck-in

O rio todo dia é fim e começo. É calmaria e redemoinho. É a existência frágil mergulhada em dias turbulentos. Todo dia, o rio é vida que recomeça, é destino que deságua na incerteza.

foz-do-velho-chico

No seu caminho não deixa promessas nem vestígios. Apenas passa. Porque tudo passa. Porque como o rio, o destino da vida é passar, levando consigo só o que cabe no peito.

foz-do-velho-chico-sergipe-alagoas

– CONHEÇA NOSSO INSTAGRAM – @misscheck     você vai encontrar fácil nossas dicas de Aracaju e Sergipe  nas hashtags:

#aracajunomiss

#sergipenomiss

 

Passeio pelo Cânion do Rio São Francisco partindo de Olho D’Água do Casado/ALAGOAS

11 set

Retornamos ao Cânion do Velho Chico em julho de 2016. Dessa vez, seguimos  a dica do Blog Algo Relevante e fizemos o passeio com a Agência O Pioneiro, de Alagoas.

OPioneiro - ALAGOAS

COMPARANDO OS VALORES (PREÇOS EM JULHO DE 2016)

– O passeio pela Nozes Tour  –  incluindo o transporte entre Aracaju e Canindé e o passeio pelo Cânion no Catamarã da MF-Tur  –  estava custando R$170,00 por pessoa.

Confira nossa experiência com a Nozes Tour aqui.

– Só o passeio de catamarã, fechando direto com a MF-Tur, estava custando R$ 90,00 por pessoa (o catamarã da MT-Tur parte da margem sergipana do rio, no Restaurante Karrancas, em Canindé/SE).

MF-Tur - Catamarã de Canindé

O passeio de catamarã com a Agência O Pioneiro custou R$85,00 por pessoa, partindo do Restaurante Show da Natureza, em Olho D’Água do Casado/AL. Acertamos tudo pelo Whatsapp – 82-98174-6206 < atendimento atencioso e eficiente >

– Adicione ao menor valor a vantagem de ser uma embarcação pequena, com lotação máxima de 20 pessoas e o plus de nos levar até o Vale dos Mestres, que não está incluído no percurso da MF-Tur.

– De carro, gastamos 2h30 de viagem no percurso Aracaju-Olho D’Água do Casado/AL e R$120,00 de gasolina (ida e volta, abastecendo a R$3,55/litro em julho de 2016). < Ao todo, eram quatro pessoas no carro. Dividindo a gasolina por quatro + o valor individual do catamarã ($85), totalizou R$ 115,00 por pessoa >

COMO CHEGAR AO PONTO DE EMBARQUE

– Para quem vem de Aracaju, pela Rota do Sertão, chegando a Canindé, corte a cidade em uma linha reta, sentido Piranhas.

Confira como acessar a Rota do Sertão aqui.

– Atravesse a ponte sobre o Rio São Francisco (divisa SE/AL) e siga em frente até o trevo de acesso a Piranhas.

– Neste trevo, vire à esquerda, sentido Olho D’Água do Casado e Delmiro Gouveia. < São aproximadamente 5 km deste trevo até o acesso para o Restaurante >

– Siga novamente em uma linha reta… sempre. Depois de Olho D’Água do Casado, fique atento. Uma placa irá sinalizar o acesso para o Restaurante Show da Natureza.

acesso-ao-restaurante-show-da-natureza

– Saindo da pista e entrando à esquerda, começa uma estrada de terra. Siga  em frente e fique atento à sinalização.

sinalizacao-para-o-show-da-natureza-alagoas

– Seguindo as placas, é fácil chegar ao Restaurante, que fica às margens do Cânion.

restaurante-show-da-natureza-no-canion-do-sao-francisco-alagoas

RESTAURANTE SHOW DA NATUREZA

– Só o almoço em um dos seus quiosques já valeria a pena.  < Quem tem  medo de passeio de barco, pode ficar tranquilo por ali mesmo, petiscando à beira do rio com a vista do Cânion >

showdanatureza-al-blogmisscheck-in

– Fora isso, apesar de simples, tem boa estrutura, banheiros limpos e uma equipe esforçada.

– Pedimos uma porção de BODE FRITO (porção tira-gosto – R$60 reais em julho de 2016), que chegou crocante, com queijo coalho derretendo por cima da carne.

PASSEIO PELO CÂNION DO RIO SÃO FRANCISCO

– Como dito no início do post, reservamos quatro vagas no catamarã. Além de nós quatro, só embarcou mais um casal. < Bem mais confortável que o passeio lotado que fizemos no Carnaval de 2011. Confira aqui >

– Partindo da margem alagoana, a Gruta do Talhado, ponto alto do passeio,  está a um minuto do embarque. Mas a parada fica para o retorno. Seguimos pelo Cânion, emparedados por sua bela vista.

– A primeira parada é no Vale dos Mestres, um estreito trecho de várzea, com pouca profundidade, onde é possível caminhar e tomar banho no Rio São Francisco com água na altura dos joelhos.

– No retorno, a esperada pausa para a visita à Gruta do Talhado.

– Atualmente, dois atracadouros recebem as embarcações visitantes. O atracadouro para as embarcações menores, nosso caso, fica do lado oposto à Gruta e, por R$10,00 (valor em julho de 2016), canoas fazem a travessia e levam até o estreito de pedras.

– Desse ponto, retornamos ao Restaurante Show da Natureza. Ao todo, incluindo as paradas para banho, o passeio durou 2 horas.

CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES

– Se Aracaju for seu ponto de partida, vale lembrar que – apesar de ser a capital mais próxima do cânion – de carro é uma viagem cansativa para um bate-volta. São aproximados 250 km entre Aracaju e a região de Canindé e Piranhas.

– Se pretende ir de carro, a melhor opção é pernoitar por lá. Piranhas é uma ótima cidade para pernoite, com boa variedade de hospedagens, restaurantes e noite movimentada. Além de ser histórica e linda! Confira nossa dica de pousada em Piranhas aqui.

No Restaurante Show da Natureza, em Alagoas,  além da opção do catamarã, também oferecem  lanchas. Nesse caso, cobram a partir de R$400,00 pelo passeio ( valor em julho de 2016, para até quatro pessoas).

– Além do Restaurante Show da Natureza, o Restaurante Ecológico Castanho também está às margens do Cânion e oferece ótima estrutura para os visitantes < Pretendemos conhecê-lo em nossa próxima viagem ao Velho Chico😉 >

CONTATOS/SITES

O Pioneiro –  www.opioneiro.tur.br

MF-Tur – www.mfturxingo.com.br

Nozes Tour – www.nozestur.com.br

Para continuar passeando pelo Cânion do Rio São Francisco, leia também:

Xingó: nosso passeio no catamarã da MF-Tur.

Opção de hospedagem em Piranhas/ALAGOAS.

– Para saber como chegar à Rota do Sertão, partindo de Aracaju, leia também Fotoguia da BR-235.

UMA VEZ EM SERGIPE, APROVEITE TAMBÉM PARA CONHECER A FOZ DO VELHO CHICO:

Como chegar a Foz do São Francisco partindo de Aracaju.

Delta do Velho Chico.

Piaçabuçu – Alagoas.

– Todas nossas dicas de Aracaju e Sergipe em Aracaju post a post.

– CONHEÇA NOSSO INSTAGRAM – @misscheck     você vai encontrar fácil nossas dicas de Aracaju, Sergipe e Alagoas nas hashtags:

#aracajunomiss

#sergipenomiss

#alagoasnomiss

 

Circuito alternativo da gastronomia universitária: 8 dicas no Conjunto Augusto Franco – ARACAJU.

12 jul

Reservadas as proporções, o Conjunto Augusto Franco já foi para os estudantes baianos em Aracaju, mais ou menos, o mesmo que  o Bixiga para os imigrantes italianos em São Paulo.

Convite Inauguração do Augusto Franco - 1982

Arquivo do Jornal de Sergipe

O conjunto habitacional, fundado em 1982,  está no Bairro Farolândia, cujo principal símbolo é o antigo Farol, de 1861 < bem na rótula de acesso para a universidade, via Av. Beira Mar >.

Farol do Bairro Farolândia - ARACAJU

Com a presença do maior Campus da Universidade Tiradentes (Unit),  em meados da década de 90 o Conjunto passou a atrair estudantes de outros Estados que pretendiam morar próximo à faculdade. Foi nesse período que as ‘caravanas’ da Bahia passaram a dominar a estatística discente da Unit, fazendo a alegria das imobiliárias com unidades para aluguel por ali.

Universidade Tiradentes - ARACAJU - foto de MissCheck-in.com

Reitoria da Universidade Tiradentes – ARACAJU

O Condomínio Mar Azul, na Avenida Canal 5, era na época o condomínio mais próximo da Unit e, por isso, acabou  recebendo em massa essa população universitária < imagem abaixo do grupo do Mar Azul no Facebook. Arte de Theo Peleteiro >.

250601_368429329894130_1648838525_n

E foi assim que muitos baianos, inclusive eu, vieram morar nessa região da cidade. Por muito tempo esse canto de Aracaju foi um pedacinho da Bahia em Sergipe e havia até quem dissesse que o bom e velho Condomínio Mar Azul era a própria Embaixada Baiana.

Condomínio Mar Azul

Condomínio Mar Azul – Av. Canal 5, Conj. Augusto Franco – ARACAJU

Muito profissional de sucesso, que hoje circula elegante na high society, já comprou tubaína no saco no mercadinho do saudoso Seu Luís, dividiu a entrega da quentinha do Renatão ou bebeu mais do que devia no trailer do Versailles ( um outro condomínio, na Rua Maria Pastora) ao som do Carcacinha do Pagode (a banda de estudantes baianos).

Mas os baianos se formaram, a Unit cresceu, o canal virou calçadão e a Bahia pipocou de faculdades, reduzindo o êxodo para Sergipe. O ‘Augusto Franco’, entretanto, não perdeu o status de conjunto universitário e continua sendo o endereço preferido dos estudantes.  No contexto, muitas opções de restaurantes foram surgindo para atender essa demanda estudantil, de orçamento regrado, mas não menos exigente.

Av. Canal 5 (Av. Dr. José Tomaz D’Ávila Nabuco), Conj. Augusto Franco – ARACAJU

Para apresentar esse circuito alternativo da gastronomia universitária, neste post mostramos sete modalidades representativas das opções do Conjunto,  ligadas a sua história. Algumas para gastar pouco, outras nem tanto. Mas todas garantem um saboroso passeio pelo cotidiano do Bairro. Confira a lista, seguindo a ordem de localização pelo mapa😉

Mapa-Conjunto Augusto Franco -ARACAJU (editado por misscheck-in.com)

1.COMIDA A QUILO: RINCÃO MINEIRO

Pela qualidade da comida, o Rincão merecia um post só pra ele. Falaria parágrafos e parágrafos sobre o sabor da sua rabada na cerveja preta; do pão de alho macio, saindo quentinho da churrasqueira; da galinhada com pequi com manual de instrução para o caroço  ou do “queimadinho” com gosto de casa de vó, que fica ali, de cortesia, ao lado do caixa.

Restaurante Rincão - ARACAJU

É bem verdade que no perrengue que é orçamento de estudante, não é todo dia que rola almoço a 42,90/kg. Em compensação, as famílias do Bairro (incluindo a minha) já descobriram  as delícias do buffet mineiro e, aos finais de semana, lotam as mesinhas de madeira de seu salão.

RincãoMineiro-ARACAJU

O Rincão fica no Posto Petrox da rótula do Farol, no Bairro Farolândia, a poucos metros da Universidade Tiradentes e próximo a hotéis voltados para turismo de negócios (Del Canto, Go Inn e Atalaia Apart). Por essa localização, é uma boa dica para  turistas de negócios/eventos e concursos. E, não se engane, a localização privilegiada realmente ajuda, mas o mérito de suas mesas lotadas é todo da sua cozinha mineira afiada.

Aberto de domingo a domingo, para almoço. Mas o valor na balança muda durante a semana. De segunda a sexta, 42,90/kg. Sábado, domingo e feriados – R$44,90/kg (valores em maio de 2016). Telefone: (79) 3243-1448. Fecham em janeiro.

2.MACARRÃO AO VIVO: MACARRÃO MASSA

Foi no meio de uma mudança de apartamento, de um trecho para outro da Av. Canal 5, em 2012,  que percebi uma portinha lotada na mesma avenida, no lado oposto ao Hiper G.Barbosa. Com o carro cheio de bagulho e a barriga vazia, estacionei e fui lá matar a fome da minha curiosidade.

Macarrão Massa - Conjunto Augusto Franco - ARACAJU

Macarrão feito na hora, do seu modo, o que mais tarde viria saber tratar-se do tal “macarrão ao vivo”.

Macarrão Massa - Ingredientes - Augusto Franco - ARACAJU

Bem servido e saboroso. No meio da crise, até o refinado Spoleto  fechou, mas o Macarrão Massa continua firme e forte, com fila na porta aos finais de semana.

Macarrão ao vivo do Macarrão Massa - Augusto Franco - ARACAJU

Aberto de terça a domingo. Porções em três tamanhos P/M/G – 15,00/18,00/20,00 (valores em maio de 2016). Fica na Av. Canal 5, quase em frente ao ponto de ônibus da esquina do Cond. Mar Azul com o G.Barbosa < mas vá sabendo que o lugar é muito simples. O salão é apertadinho e abafado, o que dá para superar chegando cedo e escolhendo uma das mesas que ficam na calçada >.

3.PADARIA: PANIFICAÇÃO SANTA MARIA

Atrás dos prédios da Cohab, que ficam em frente ao Condomínio Mar Azul, exatamente por ser a mais próxima do Condomínio, era a ‘padaria dos estudantes’. Muita coisa mudou de lá pra cá, inclusive a padaria, que foi reformada recentemente e agora ostenta uma fachada pastilhada e elegante.

Panificação Santa Maria - ARACAJU

Daquela época, entretanto, permanecem alguns itens de sucesso, como o bolo de leite (que nós, particularmente, colocamos entre os melhores da cidade) e o pão de leite recheado com queijo coalho ( aí, no canto esquerdo da foto) que todos os dias esgota antes das 16h.

Aberta de segunda a sábado.

4.QUENTINHA E PRATO FEITO: BAR DO LUIZ

No outro extremo da Av. Canal 5, na última esquina antes da Av. Heráclito Rollemberg,  há mais de vinte anos o Bar do Luiz serve almoço, quentinhas e prato feito com tempero caseiro e preços populares.

Bar do Luiz - Av. Canal 5 - ARACAJU

“Bar” define bem o lugar, que tem toalhas de plástico, prato duralex e muvuca aos finais de semana.  Mas se quiser uma comida curta e grossa, que forre o estômago com gosto e não pese no bolso, essa é uma boa dica. Na foto – Prato feito – R$10,00 (em julho de 2016).

Prato Feito do Bar do Luís - Conjunto Augusto Franco - ARACAJU

Tem dentista, advogado e biomédico, que hoje só almoça na Cantina D’Itália mas, nos tempos de estudante ia feliz da vida pra casa, carregando uma quentinha do Seu Luiz no saco (ou na ‘bolsa’, como chamam em Sergipe). Continua cheio até hoje porque, apesar do lugar ser muito simples e não ter mudado uma vírgula nesses anos, a comida é saborosa e sua clientela é fiel. Se for sua praia, experimente o sarapatel e a dobradinha. Telefone: (79) 3248-3062. Não aceitam cartões.

5.CAFÉ NORDESTINO: TAPIOCA ALAGOANA

Três ‘canais’ paralelos são os eixos principais do Conjunto Augusto Franco: Canais 3, 4 e 5 (para onde foram o 1 e 2? Quem souber, deixa um comentário, por favor!).  A Avenida Canal 4, que também não é mais canal, hoje é a via que liga o Bairro Farolândia ao Conjunto Inácio Barbosa.

Av. Canal 4 (Av. Dr. ‘Adel Nunes’ no Google e ‘Josino José de Almeida’ nas placas ) – Conjunto Augusto Franco – ARACAJU

Nesta avenida, na praça da  feira de quarta-feira, próximo à Igreja Católica, está o tradicional ponto da Tapioca Alagoana.

Tapioca Alagoana - Conj.Augusto Franco - ARACAJU

Mais de 300 sabores de tapioca, café nordestino, torta de macaxeira  e um cardápio agoniante para os indecisos.

Cardápio - Tapioca Alagoana - ARACAJU

A tapioca generosa, de 27cm,  vem sempre bem recheada e pode até vir em dois sabores.

Tapioca de 27cm da Tapioca Alagoana - ARACAJU

O café nordestino também vale a pena. Na foto, cuscuz com charque – R$10,50 + café – R$2,25 (valores de junho de 2016).

Cuscuz recheado da Tapioca Alagoana

Aberto todos os dias, das 16h às 00h. Fechado às sextas.Telefone (79)3243-3740.

6.PIZZARIA: O RENATÃO

Há 30 anos no ‘Augusto Franco’ –  na Av. Canal 4, na segunda esquina depois da Av. Heráclito Rollemberg – O Renatão é um clássico do Conjunto. Todo mês, era sagrado: quando o dinheiro suado do estágio entrava na conta, todo mundo ia comemorar o ‘salário’ no rodízio de pizzas do Renatão. Era dos mais em conta e os mais gulosos comiam “até explodir” < nas palavras dos próprios personagens, que voltavam pra casa orgulhosos do feito > – Nos tempos de hoje, R$ 19,90 o rodízio de pizzas (valor em junho de 2016).

A pizza não é a mais extraordinária da vida, mas por todos os fatores simbólicos e afetivos que me ligam ao lugar, nunca deixo de comer lá.

Pizza do Renatão - Conj. Augusto Franco - ARACAJU

O buffet a quilo continua muito procurado, com variedade e boa comida. Nos últimos tempos, o cardápio foi ampliado e os preços continuam atrativos😉

Renatão - Augusto Franco - ARACAJU

Aberto de domingo a domingo, para almoço e jantar. Telefone/Delivery (79) 3248-2800. Logo depois do Renatão, na mesma avenida, há outra pizzaria tradicional no Conjunto –  a Kalilândia. E também tem torcida para os dois lados. Há quem não abra mão da pizza da Kalilândia, mas há também quem afirme que a do Renatão é mais gostosa e menos oleosa. Ficam aí os dois pesos para que você tire suas próprias medidas.

7.GULOSEIMAS DA FEIRA: MERCADO MILTON SANTOS

Um bom bairro precisa de uma boa feira. E a feira do ‘Augusto Franco’ é uma das mais tradicionais da cidade. Há alguns anos teve seu antigo endereço totalmente reformado e reinaugurado como Mercado Milton Santos.

Mercado Milton Santos - Conj.Augusto Franco - ARACAJU

Entre os ‘ex-canais’ 4 e 5, olhando para o muro do aeroporto, na Av. Heráclito Rollemberg, o Mercado fica aberto de terça a domingo. Mas é aos finais de semana que ele borbulha com verduras e frutas  colorindo as bancas,  peixes e camarões fresquinhos reluzindo nas bacias e aquela bate-bate de gente querendo encher as sacolas com o tomate mais vermelho, a alface mais vistosa e a tapioca mais barata.

Feira do Augusto Franco-ARACAJU-foto do MissCheck-in.com

Pelo mercado, cada um acaba traçando suas próprias estratégias e definindo suas bancas preferidas. Mas, entre uma cebola e outra, na pausa do lanche, seu domingo merece:

 Um copinho de mungunzá ou mingau ou arroz doce do Cantinho da Dedé – R$ 2,00 o copinho de 200ml (em julho de 2016):

Cantinho da Dedé

Um café nordestino reforçado na praça dos bares e restaurantes do mercado. Todos por ali são bacanas. Puxe uma cadeira e permita-se mais uma gulodice. Nós gostamos do Box Bom Gosto e sua macaxeira [aipim/mandioca] derretendo na boca < o box não tem nome, mas fica ao lado da grade do mercado, olhando para o Cantinho da Dedé >.

E o clássico pastel com caldo de cana. Dentro do mercado tem uma banca de pastel, mas o nosso preferido fica fora, na rua do fundo (na direção oposta ao Aeroporto – Rua Promotor Joaquim Valença):  Pastelaria  da Vovó, com pastéis a partir de R$2,50.

Pastelaria da Vovó - Conjunto Augusto Franco - ARACAJU

O mercado ainda conta com iguarias da geração ‘fitness’. No Pavilhão da Agricultura Familiar você encontra farinha de linhaça, açúcar de coco e óleo de coco artesanal de Simão Dias [500ml por R$ 35,00 em maio de 2016]. Olha que vale a pena acordar mais cedo no domingo😉

Óleo de Coco Artesanal - Mercado do Augusto Franco - ARACAJU

8.DICA EXTRA DO LEITOR: CACAU CONFEITARIA

E depois do post prontinho, no ar, a Clarissa Maia mandou esse dica deliciosa que a gente não podia deixar de fora: CACAU CONFEITARIA,  na Av. Canal 3, na segunda quadra após o ginásio do SESI (para quem trafega no sentido Inácio Barbosa – Av. Heráclito Rollemberg).

CACAU Confeitaria

É confeitaria e lanchonete. Nós investimos toda nossa expectativa calórica nas tortas… P-E-R-F-E-I-T-A-S! < a Casa Alemã do Augusto Franco > A fatia é bem generosa e custa R$7,00(valor em agosto de 2016). Aceitam encomendas. Aberto de segunda a sábado, das  8h30 às 21h.

Torta Prestígio - CACAU Confeitaria

E nosso tour universitário vai se encerrando por aqui. No post estão apenas algumas das opções do Conjunto Augusto Franco. Se você tiver outras  dicas bacanas  por lá, deixa um comentário contando😉

Para conhecer um pouco mais da história do Conjunto, tem um post com fotos antigas, do período de sua fundação, no blog do Professor Eudo Robson aracajusaudade.blogspot.com. Confira aqui.

Para continuar conhecendo outros restaurantes pela cidade, leia também:

 Onde comer em Aracaju: 09 dicas no Centro da cidade ;

– Mais sobre Aracaju em Aracaju post a post.

– CONHEÇA NOSSO INSTAGRAM – @misscheck     você vai encontrar fácil nossas dicas de Aracaju na hashtag:

#aracajunomiss

 

Museu Casa de Che Guevara – Alta Gracia: arredores de Córdoba – ARGENTINA

15 maio

O MINISTÉRIO DO BOM SENSO ADVERTE: ESTE POST NÃO PRETENDE DISCUTIR TENDÊNCIAS POLÍTICAS.

Dito isto, vamos aos fatos turísticos que contemplam a lindinha Alta Gracia, na região das ‘Serras’, nos arredores de Córdoba❤

A uma hora de Córdoba, Alta Gracia conquista seus visitantes com ruas tranquilas e arborizadas, temperatura amena e vista para as montanhas.

Quando desembarcamos no pequeno, mas organizado terminal de ônibus da cidadezinha, tínhamos uma única pretensão: o Museu Casa del Che. Já no terminal, uma pequena sala à esquerda do desembarque oferece informações turísticas, mapas e encartes sobre pontos turísticos. O atendente, muito solícito, rabiscou o melhor caminho para o nosso destino.

Terminal Rodoviário de Alta Gracia - ARGENTINA

Museus Alta Gracia - Córdoba - ARGENTINA

O terminal fica às margens do córrego que corta a cidade, Arroyo Chicamtoltina. Como nossa ideia era desbravar tudo a pé, seguimos o mapa fornecido na rodoviária. Confira o mapa em PDF aqui.

Descemos as escadarias da entrada principal do terminal, atravessamos o arroyo, cruzamos a Praça das Américas e, após subir e descer ruas por uma localidade bem residencial,  fomos bater na casa do Che [Alameda Avellaneda, 501].

Na entrada, o primeiro susto: em maio de 2015, o ingresso estava custando 75 pesos. O museu mais caro da viagem. Para nós, valeu cada peso suado  < A dica é comprar o passaporte para 3 museus – Casa do Che, Museu Manuel de Falla e Gabriel Dubois –  que, na época, saía a 85 pesos>

Independente de qualquer orientação política,  é indiscutível reconhecer Che Guevara como um dos grandes nomes da História das Américas.

Na década de 30, a família Guevara mudou-se para Alta Gracia procurando alívio para a asma do pequeno Ernesto. Villa Nydia, a casa agradável e acolhedora da Alameda Avellaneda,  onde hoje funciona o museu, foi a residência de Che Guevara entre 1935 e 1943.

A Casa – dividida em salas que levam nomes de pessoas importantes na vida de Guevara – conta um pouco da história do ‘revolucionário’  com documentos, fotos e objetos, reproduzindo alguns espaços de sua infância e adolescência.

Parte do acervo, entretanto,  são apenas reproduções de documentos e objetos, mas o encontro com a moto Norton 500, nos moldes da utilizada por Che e Alberto Granado em suas andanças pela América do Sul, já deu um estalo no coração, fã de “Diários de Motocicleta“. Desde 2011, as cinzas de Granado estão no museu, ao lado da moto, na sala que leva seu nome, Alberto Granado.

A visita  oferece, entre outras coisas, um singelo encontro com vida familiar de Che Guevara.

Che com sua esposa, Aleida March, e seus filhos – em Havana – Acervo do Museu Casa del Che – Alta Gracia – ARGENTINA.

Che Guevara com a filha Hilda Beatriz – Havana, 1960 – Acervo do Museu Casa del Che, Alta Gracia – ARGENTINA.

E caminhar pelos ladrilhos por onde correu, brincou e cresceu um personagem tão instigante, à direita ou à esquerda, não deixa de ser uma experiência histórica.

Saindo da ‘Casa de Che’, percebemos que nosso erro foi subestimar o potencial encantador de Alta Gracia. Chegamos lá depois do almoço e notamos que a cidade merecia pelo menos um dia inteiro, para caminharmos tranquilos por suas ruas de casas graciosas entre árvores de outono.

Ruas de Outono - Alta Gracia - Córdoba - ARGENTINA

Seguindo em direção a Plaza Solares, passamos pelo imponente e tradicional Sierras Hotel, famoso por ser o primeiro cassino da Argentina. A partir daí, chegar até o miolo histórico onde está o Museu Nacional de la Estancia Jesuítica de Alta Gracia, na Plaza Solares, rende uma caminhada de 20 a 30 minutos.

Na Praça, ao lado do Museu – uma estância jesuíta erguida no século XVII – está a Igreja Nuestra Señora de la Merced, construída entre 1723 e 1762, integrada à estância.

Atravessando a praça, na lateral da Estância oposta à Igreja, está o Relógio Público, planejado em 1938 para comemorar o aniversário de 350 anos de Alta Gracia. Na base, uma salinha funciona como ponto de informações turísticas.

Relógio Púbico de Alta Gracia - ARGENTINA

No mesmo ponto, estende-se El Tajamar, considerado o dique artificial mais antigo da Província de Córdoba. Construído pelos Jesuítas em 1659, hoje dá vida a um parque arborizado no coração da cidade.

Às 14h30, nos deparamos com tudo fechado, de lojas a restaurantes. O Museu só iniciaria as visitas às 16h e, lá pelas 15h30, percebemos que já havia um grupo de crianças de uma escola local na nossa frente <Por sinal, encontramos grupos escolares em quase todos os museus que visitamos na Província de Córdoba. Coisa linda!  :P >

A entrada, no valor de 35 pesos (em maio de 2015), também desanimou. Rendidos pelo cansaço e pelo dinheiro contado no bolso, acabamos indo embora sem conhecer a Estância. Nesse caso, nosso conselho é dedicar pelo menos um dia inteiro para Alta Gracia, chegando por lá ainda no início da manhã😉

De ônibus, partindo de Córdoba, a melhor maneira de chegar a Alta Gracia é nos micro-ônibus que saem do Terminal do Mercado Sud, na Boulevard Arturo Illia. Confira a localização deste terminal aqui.

Terminal de ônbius do Mercado Sud – Córdoba – ARGENTINA

– A Empresa Sarmiento faz a linha Córdoba-Alta Gracia com saídas de 10 em 10 minutos, nos dois trechos, até 22h30, último horário de saída de Alta Gracia para Córdoba (informações de maio de 2015).

– Antes de seguir para a rodoviária, o micro-ônibus para em diversos pontos de Alta Gracia. Informe-se com o motorista qual seria o mais adequado para suas pretensões.

– Alta Gracia tem um site muito bacana, com diversas informações sobre a cidade, inclusive mapas: www.altagracia.gov.ar ;

–  MAPA DE ALTA GRACIA em PDF aqui

 Nessa viagem também visitamos outra Estância Jesuíta, no interior da Província de Córdoba. Saiba mais no post sobre Jesus Maria.

PARA MAIS SOBRE CÓRDOBA, LEIA TAMBÉM:

 Santiago Building, nossa opção de hospedagem;

 Alfajores artesanais de Córdoba na La Costanera;

Viajar de ônibus pela Argentina;

– E todos os outros posts  na tag ‘Cordoba’.

– Confira nossas dicas curtinhas e rapidinhas no  Instagram @misscheck

Todas as dicas dessa viagem estão na hashtag #argentinanomiss

As dicas de Córdoba você encontra na hashtag #cordobanomiss

E as dicas de Mendoza na hashtag #mendozanomiss

 

Onde comer em Aracaju: 09 dicas no Centro da Cidade.

24 abr

Apesar da predominante ‘cultura do porcelanato’, o centro de Aracaju ainda guarda algumas preciosidades, redutos de memórias da cidade, cheios de charme.

Alguns desses endereços também são ótimas dicas de boa comida em ambientes agradáveis, seja para um lanchinho rápido ou para um almoço encorpado. Neste post reunimos 09 cantinhos do Centro de Aracaju que merecem sua visita😉 Segue a lista, em ordem de localização pelo mapa abaixo:

Mapa Centro - ARACAJU

 

1 – SENAC BISTRÔ – AV. IVO DO PRADO

O bistrô-escola funciona no prédio do Senac, na Av. Ivo do Prado, esquina com a Av. Barão de Maruim.

SENAC - Av. Ivo do Prado - Aracaju

A localização é agradável, com vista para a avenida e para o Rio Sergipe (encontrar um lugar para estacionar já não é tão agradável assim). A comida é boa e os preços são bem moderados. Ideal para quem quer comer bem gastando pouco. Confira o cardápio aqui  ;)

Senac Bistrô - ARACAJU - Blog MissCheck-in

Mas lembre que é um restaurante-escola. Às vezes, um prato ou outro pode não sair a contento. Para não errar, invista suas expectativas nas sobremesas. Deliciosas! Qualquer uma  R$4,50 (valor em abril de 2016)😉  [NAS FOTOS| Mousse de coco com farofa de amendoim e Pudim Vaporoso – uma combinação de suspiro de goiabada, creme de confeiteiro e calda de caramelo].

Mousse de Coco - Senac Bistrô - Blog MissCheck-in

Pudim Vaporoso - Senac Bistrô - Blog MissCheck-in

Aberto de segunda a sexta, das 12h às 14h. Na saída, vale dedicar um pouco da sua atenção aos belos casarões do início do século XX que ainda resistem na Av. Ivo do Prado, no mesmo quarteirão do Senac.

Cultart - Antiga Faculdade de Direito - Av. Ivo do Prado - ARACAJU

Cultart – Antiga Faculdade de Direito – Av. Ivo do Prado – ARACAJU

Villa Carmen - Av. Ivo do Prado - Aracaju -BlogMissCheck-in

Villa Carmem – antiga residência do Coronel Gonçalo Rollemberg – Av. Ivo do Prado, Aracaju.

2 – CAFÉ DA GENTE – MUSEU DA GENTE SERGIPANA

O Museu da Gente Sergipana está incluído na maioria dos roteiros daqueles que visitam Aracaju. Funcionando no antigo (e lindo) prédio do Colégio Atheneu D. Pedro II, o Atheneuzinho (1926), o museu realmente é um encanto.

Antigo Colégio Atheneuzinho – Atual Museu da Gente Sergipana – Tela do artista plástico Tintiliano.

Mas para deixar sua visita completa, não deixe de conhecer o charmoso café do museu, o  Café da Gente, no fundo do prédio.

Para almoço saem pratos executivos perfeitos, com uma combinação refinada de itens da culinária nordestina.

Café da Gente - Museu da Gente Sergipana - ARACAJU

Prato executivo no Café da Gente - Blog MissCheck-in

Os lanches também são uma delícia.  Nós adoramos os cajuzinhos de frango – coxinhas com massa de macaxeira (aipim/mandioca), castanha de caju e galinha cozida desfiada❤

Se couber um doce no seu orçamento calórico, acrescente uma fatia de ‘manauê’ (bolo especial de milho, a cara de Sergipe) . Confira o post completo sobre o Museu e o Café aqui. Funciona de terça a domingo, das 10h às 19h, mas os horários costumam ser  alterados. Para não perder a viagem, antes de ir, dá uma olhada na fanpage deles aqui, onde você fica informado sobre as alterações e também sobre programação cultural do café😉

 

3 – SÓ SUCOS – PRAÇA CAMERINO

Na rua do fundo da Museu da Gente,  o ponto conhecido como ‘o melhor suco de Aracaju’ funciona no mesmo local  há mais de trinta anos, em uma varanda elevada na Praça Camerino, sombreada por oitis centenários.

Praça Camerino

Nós gostamos de apreciar a arquitetura histórica de sua redondeza, saboreando seu famoso suco de jaca com laranja acompanhado do bom e velho misto-quente.

Só Sucos - MissCheck-in Blog

E toda essa ‘extravagância’ a preços módicos. R$ 4,00 o copo de 500ml de  suco sem leite/R$4,50 com leite/ R$4,50 o sanduíche (valores em março de 2016). Aberto de segunda a sexta das 07h às 18h e aos sábados até as 12h. A dica extra é curtir um pouquinho a Praça Camerino e interagir com o projeto de troca de livros. Há caixas coletoras para você depositar uma contribuição literária para outros leitores😉

Praça Camerino - Aracaju

4- CAFÉ PALÁCIO – MUSEU OLÍMPIO CAMPOS

Mais um café e mais um Museu. Na histórica Praça Fausto Cardoso, o Palácio Olímpio Campos foi sede do Governo do Estado de 1863 a 1995. Hoje abriga um  museu que conta um pouco da história política de Sergipe.

Praça Fausto Cardoso e Palácio-Museu Olímpio Campos - ARACAJU - SERGIPE

Na varanda dos fundos do Palácio, com acesso pela lateral norte do prédio, fica o elegante CAFÉ PALÁCIO.

Café Palácio - Centro - ARACAJU

Ambiente agradável e atendimento simpático. Na decoração charmosa, utensílios do século XIX…

Cafeteira do sec.XIX - Café Palácio - ARACAJU

E, no cardápio, boa comida a preços moderados.

Sanduíche de queijo no pão árabe – R$6,00 (em 04/2016) – CAFÉ PALÁCIO

Aberto de segunda a quinta, das 10h às 19h. Às sextas, o horário é mais esticado, pois tem happy hour a partir das 19h. E, aos sábados, funcionam até as 13h.

 

5 – CACIQUE CHÁ – PRAÇA OLÍMPIO CAMPOS

Saindo do Café Palácio e Museu Olímpio Campos, a quadra seguinte, no sentido oposto ao Rio, é a Praça Olímpio Campos, a praça da Catedral.

Catedral Metropolitana de Aracaju - Praça Olímpio Campos - ARACAJU

Bem na esquina da praça, na mesma lateral do Café Palácio, está – no mesmo endereço há cinquenta anos – o Cacique Chá,  outro restaurante-escola do Senac, muito bem-sucedido.

Cacique Chá - Praça Olímpio Campos - Centro de ARACAJU

A comida é ótima, mas eu bato na tecla que as sobremesas são as estrelas do cardápio (com preços super em conta, inclusive)

Sobremesa - Cacique Chá - ARACAJU

Mil folhas de laranja com chocolate – R$ 6,50 (valor em 04/2016)

Fora isso, a história do lugar e a exposição permanente do artista plástico Jenner Augusto, autor dos painéis que ornam a casa, já fazem valer a visita.

Painel de Jenner Augusto - Cacique Chá - Centro de Aracaju

Embora também seja restaurante-escola do Senac, o cardápio, o chef e a proposta são diferentes do Senac BistrôTodos os detalhes do Cacique Chá aqui. Funciona para almoço e lanche da tarde durante a semana e para almoço aos sábados.

6- PADARIA SERGIPANA – ESQUINA DA RUA SANTO AMARO NA PRAÇA OLÍMPIO CAMPOS

A alguns passos do Cacique Chá, olhando para a lateral norte da Catedral, está a Padaria Sergipana, uma das mais antigas da cidade.

Padaria Sergipana - Praça Olímpio Campos - ARACAJU

A padaria, que funciona no mesmo endereço desde 1937, ainda guarda na fachada o estilo eclético predominante nos imóveis de Aracaju do início do século XX.

Detalhes da Lateral da Padaria Sergipana na Rua Santo Amaro - Centro de Aracaju

Por dentro é muito simples e não tem atrativo algum para os olhos. Mas se quiser lanchar gastando pouco, sente e peça um suco de laranja e um sanduíche [NA FOTO – Pão com ovo e queijo – R$2,50/Suco de laranja (copo de 300 ml) – R$2,50/valores em abril de 2016]

PADARIA SERGIPANA – Pão com queijo e ovo – R$2,50/ Suco de laranja (copo 300ml) – R$2,50 (valores em abril/2016)

O tradicional biscoito ‘copa’ é marca registrada de suas prateleiras. E os amigos que frequentam o centro também indicam o ‘sonho’ e buffet a quilo para almoço e jantar.

Funcionam de segunda a sexta, das 6h às 20h. Sábado, das 6h às 19h. Domingos e feriados, das 7h às 13h. A dica extra é conferir a data de fabricação  e a textura dos biscoitos copa. Só os mais durinhos valem a pena😉

7 – LUZITÂNIA – LANCHONETE PORTUGUESA NO CALÇADÃO DA RUA LARANJEIRAS.

Há quarenta anos, em um ponto comercial estreito e comprido, a Luzitania  oferece ao público do centro da cidade um pouco das boas lembranças culinárias da família portuguesa que fundou o negócio.

Luzitânia - Lanches Portugueses - Centro de Aracaju

O lugar é simples – com atendimento de balcão –  e, na entrada, você já se depara com os famosos bolinhos de bacalhau da casa.

Luzitania - Lanchonete Portuguesa - Centro de ARACAJU

Pastel de Belém e Bolinho de Bacalhau da Luzitânia - ARACAJU

Tem pastel de Belém e outras iguarias portuguesas, mas a dica mesmo é  investir no bolinho de bacalhau especial (os compridinhos aí embaixo). É mais caro que o simples (esses redondinhos aí em cima), mas vale os reais a mais.

Porção de Bolinho de Bacalhau Especial - Luzitania - ARACAJU

Bolinho de Bacalhau Especial - Luzitania - ARACAJU

Bolinho de Bacalhau Especial – R$5,00 a unidade/Porção com 10 – R$40,00 (valores em março de 2016)

Para ajudar na localização, procure a Igreja Católica São Salvador – fundada em 1856 – bem na esquina do Calçadão da João Pessoa com Laranjeiras. A Luzitânia está ao lado da igreja😉

No coração do comércio da cidade, abrem apenas em dias úteis e sábado até as 14h.

8 -ESPAÇO ZÉ PEIXE: RESTAURANTE TOTOTÓ e CAFÉ DO ZÉ

O antigo hidroviário de Aracaju hoje é o Espaço Zé Peixe, em homenagem à figura icônica da cidade que orientava as embarcações do antigo porto nadando pelo Rio Sergipe. No andar superior do Espaço fica o RESTAURANTE  TOTOTÓ, com uma vista majestosa para o rio.

A comida é ótima. O camarão com maxixe tem seu lugar.

Moqueca de Camarão com Maxixe e pirão – R$ 50,00 (valor em fevereiro de 2016)

E as sobremesas, com a cara e gosto do nordeste, não podem passar batidas. Considere incluir pelo menos um pudim no seu roteiro😉

Abrem para almoço, de terça a domingo.

No térreo, ao lado da entrada, a novidade é o CAFÉ DO ZÉ, com massas deliciosas e ambiente agradável. Também aberto de terça a domingo, para almoço. Na foto, a porção individual (dividida em dois pratos) do penne ao molho de queijo e camarão – R$29,00 (valor em julho de 2016).

Café do Zé - ARACAJU

A entrada no Espaço é gratuita. Fica na Avenida Rio Branco, que por aqui todo mundo conhece como Rua da Frente. Atravessando a rua, está o prédio da Antiga Alfândega que, após ser restaurado,  hoje abriga um espaço cultural e também merece uma visita.

Para entender o que é ‘tototó’ e quem foi Zé Peixe, confira o post completo sobre o Restaurante Tototó aqui.

9 – RESTAURANTE CAÇAROLA – NO MERCADO ANTÔNIO FRANCO

Ainda hoje, muita gente me questiona sobre o nome desse mercado. Não tem errada! A Praça dos Mercados Populares de Aracaju conta com três mercados. O primeiro deles (para quem vem do centro da cidade), e também o mais antigo, é o Antônio Franco.

Mercado Antonio Franco - ARACAJU - BLog MissCheck-in

Conhecido também por ser o mercado do relógio, o conjunto arquitetônico data de 1920 e, além do artesanato, pelo lado de fora conta com comércios antigos, como algumas casas de ferragens, lojas de retalhos e  secos e molhados nos moldes de antigamente.

Relógio do Mercado Antonio Franco - Blog MissCheck-in

Para arrematar sua visita, suba as escadas (ao lado esquerdo para quem entra pela portaria voltada para o Rio Sergipe) e descubra o que, hoje, é um dos restaurantes mais famosos da cidade: Restaurante Caçarola. A comida  não é tão barata, mas vale a pena.

Carne do Sol acebolada com queijo coalho gratinado, macaxeira (aipim) frito e banana da terra – RESTAURANTE CAÇAROLA – ARACAJU

E as sobremesas, como sempre (olha nós sempre repetindo isso)… Mais uma vez… Sim! São a cereja do bolo do seu passeio😛 [NA FOTO –  quiche de banana da terra’/mesa de ‘roskas‘/ e a ‘moça virgem’ – sorvete de tapioca com banana flambada]

Restaurante Caçarola - Blog MissCheck-in

Funciona de segunda a sábado, para almoço. Durante a semana, tem buffet a quilo. Confira nosso post completo sobre o Caçarola aqui mais sobre a história dos Mercados de Aracaju aqui. ;)

E assim, com essa ‘velha fogosa’ aí embaixo (é o nome dessa sobremesa do Caçarola), terminamos nosso roteiro de gulodices pelo centro de Aracaju❤ Nos encontramos nos próximos posts, alguns quilos mais tarde😛😛😛

Velha Fogosa - Restaurante Caçarola - ARACAJU

– Mais sobre Aracaju em Aracaju post a post.

– NO INSTAGRAM – @misscheck    você vai encontrar fácil nossas dicas de Aracaju na hashtag:

#aracajunomiss

 

 

Histórias da cidade: Seu Antônio, o empalhador de cadeiras da Atalaia. ARACAJU

3 abr

Sem querer, acostumamos a andar com pressa, correndo aqui e ali, com pouco tempo para olhar em volta. A gente acostuma a passar sem olhar, a olhar sem perceber, a perceber sem se interessar.

Mas um dia, no stress do trânsito engarrafado, olhei para o lado e vi aquela pessoa sentada na calçada sob o sol do meio-dia, disputando com uma cadeira a pouca sombra de uma palmeira. Cuidadosamente, rendava com palha o assento de uma cadeira antiga, daquelas que via na casa dos meus avós e que as senhorinhas do interior colocavam na porta de casa para travar com os vizinhos alguns dedos de prosa.

O trânsito retomou, alguém buzinou e eu segui no meu roteiro do dia. Mas em um sábado qualquer, voltei. Parei e observei de perto o trabalho minucioso daquelas mãos,  recuperando fio a fio a beleza de móveis cheios de lembranças.

Nesse dia, fui recebida com um sorriso largo e um convite para sentar. Acomodada em uma cadeira de balanço, comecei a ouvir sua história enquanto ele concluía mais uma peça. Cada mão com seu ofício!

Antônio Reis de Araújo nasceu em Recife, em 10/05/1952. De família pobre, deixou as brincadeiras da infância na periferia da cidade para, aos 14 anos, começar a trabalhar em uma fábrica de móveis no Bairro da Torre (freguesia que abrigou a primeira manufatura de algodão do Pernambuco). Ali aprendeu o ofício de empalhar cadeiras.

Bairro Torre - Recife 1910

Região do Bairro da Torre – Recife, em postal de 1910. Imagem disponível em http://www.direitosurbanos.wordpress.com.br

Da fábrica, passou a trabalhar em tradicionais lojas de móveis no centro de Recife, tirando seu sustento do seu rendado de palha.

Aos 26 anos, contudo, entre uma cadeira e outra, descobriu o vício. Por algum tempo viveu refém do alcoolismo. Perdeu dinheiro, perambulou pelas ruas, até um dia decidir que não perderia para a ‘bebida’. Em 1978, procurou ajuda no Alcoólicos Anônimos onde, além de superar a dependência,  passou a ajudar outras pessoas com seu exemplo. Tornou-se colaborador da associação, levando sua experiência para muitos.

Em 1983, em busca de uma nova vida, decidiu vir para Aracaju. De pronto, arrumou emprego na loja de móveis A Soberana, na Rua Itabaianinha, próximo ao Calçadão das Laranjeiras. Passou apenas três meses na loja e decidiu montar sua própria oficina. Alugou um pequeno ponto na Rua Santa Catarina. Trabalhava no imóvel da frente e morava em um quarto de vila, atrás do ponto comercial. Com o tempo foi se aproximando do centro da cidade. Saiu do Bairro Siqueira Campos e montou sua segunda oficina na esquina da Rua Arauá com a Rua Senador Rollemberg.

Segundo ele, trabalho não faltava, mas passou a enfrentar a concorrência de  empalhadores que trabalhavam nas ruas de Aracaju. Um outro  Antônio começou a empalhar cadeiras na pracinha do Iate Clube, na Av. Ivo do Prado (esse já falecido),  e outro empalhador estabeleceu seu ponto na calçada da  Igreja do São José. Seu Antônio diz que tinha uma boa clientela, mas precisava pagar aluguel e as despesas do imóvel. Em 1996, decidiu deixar oficina e trabalhar na rua.

Seu primeiro ponto foi na Rua Lagarto, em frente a floricultura do Seu Fenelon. Permaneceu ali por alguns anos. Nesse meio tempo, recebeu sua casa no Conjunto Orlando Dantas e, por algum tempo, manteve a oficina em casa mesmo. Mas há dez anos voltou a trabalhar na rua. “Aqui sou mais visto”, conta confiante. Conversou com o padre da Igreja Católica da Atalaia e, desde então, empalha suas cadeiras no estacionamento da paróquia, na sombra daquela palmeira, onde o encontrei, lá no início da matéria.

Nesse cantinho fez clientes e amigos. A todo instante alguém para pra puxar assunto. Um cliente passa na avenida e buzina, lembrando  que semana que vem tem serviço. Não poderia ser diferente. Além de um artista da palha, Seu Antônio é uma pessoa cativante, sempre com um sorriso simpático pronto para atender quem se aproxima.

E por que eu te contei tudo isso? Muito provavelmente porque daqui a alguns anos essa profissão e esse tipo de profissional estarão extintos e eu não gostaria de carregar o peso de saber que  tive a chance de conhecer um deles e não o fiz. Memória é vida!

– Quem quiser conhecer o trabalho do Seu Antonio, ele está todas as tardes, durante a semana, no estacionamento da Paróquia Bom Jesus dos Navegantes, na Av. Antonio Alves (continuação da Av. Beira Mar), no Bairro Atalaia, em Aracaju.

– Nosso personagem continua morando no Conjunto Orlando Dantas. Vive há mais de 30 anos com Dona Célia, com quem tem dois filhos, que não quiseram seguir seu ofício. Nunca mais voltou  a beber, mas vai às reuniões do AA toda semana e viaja para reuniões da Associação pelo Nordeste. Orgulhoso, diz que já conheceu todas as capitais nordestinas com o dinheiro da sua palha🙂

– Por muitos anos vi o outro Antônio empalhando cadeiras embaixo de uma árvore, na pracinha do Iate Clube, no cruzamento entre as avenidas Ivo do Prado e Augusto Maynard. Desde então, sempre quis conhecer a história de um empalhador. Só agora, em contato com o ‘nosso’Antônio, nessa matéria, soube que o outro Antônio havia falecido. Há alguns dias, passando pelo local  notei as placas em homenagem a ele, fixadas na árvore, seu antigo ponto.

Placa em homenagem ao Antonio empalhador da Av. Ivo do Prado

– Esse post é parte do nosso projeto “POEIRA, PAREDES e HISTÓRIAS“, que tenta resgatar as histórias e memórias de Aracaju – Sergipe. Conheça a Fanpage aqui.

________________________________

Confira todas as dicas de Aracaju da Miss Check-in em Aracaju post a post.

NO INSTAGRAM – @misscheck    você vai encontrar fácil nossas dicas de Aracaju  através das hashtags:

#aracajunomiss

#dicadomiss_aracaju