Arquivo | CURAÇAO RSS feed for this section

Gouverneur Restaurante & Café – CURAÇAO

5 ago

Uma vez em Curaçao, acredito que qualquer um,  uma hora ou outra, fatalmente será atraído por este sóbrio casarão colonial:

 Foi exatamente o que nos aconteceu. Nem sabíamos do que se tratava, mas era tão bonito, que fomos entrando, pelos fundos, como gatos curiosos que pulam no quintal alheio.

De cara, simpatizamos com as mesinhas refrescadas por um pequeno jardim e um sisudo chafariz.

E… Antes que pudéssemos perguntar qualquer coisa, fomos recebidos por uma garçonete (tão sisuda quanto o chafariz). Sentamos ali mesmo e aguardamos ansiosos pelo cardápio (valores de julho de 2012).

Aventurar-se pelas iguarias locais é algo que acho lindo, intenso e invejável, mas difícil de verdade pra mim. Por isso, quando encontrei um sanduíche de queijo brie, amêndoas, mel e cebola caramelizada, nem quis conferir o resto.

D-E-L-I-C-I-O-S-O! Sem mais.

Para o Hélio, Burritos mexicanos com recheio de carne picante e pimenta-jalapenho (jalapeño), além de outros ingredientes by Mexico, que fomos descobrindo nas garfadas seguintes. Tudo muito bom, bem temperado, carregado no sabor, mas sem exageros.

E, assim, ficamos clientes do Gouverneur. Não só pela comida, mas pelo ambiente e pela localização. O imponente casarão fica à beira do canal da Baía de Santa Anna, bem próximo à ponte Queen Emma, em Otrobanda, no miolinho básico de Willemstad (entenda a pequena capital aqui).

Se preferir, é possível almoçar na varanda, com vista para Punda e para a intensa vida náutica de Curaçao:

Além dos suculentos sanduíches, que são servidos até às 17h, o cardápio é bem variado e oferece itens reputados da culinária local, como a karni stoba (uma carne tipo ensopada). Barato não é, mas a qualidade da comida e o charme do ambiente merecem esses dólares a menos no seu orçamento.

A conta vem em Nafl, mas já com o valor convertido em dólares. Você escolhe em que moeda pagar, uma prática comum em Curaçao. A taxa de serviço não vem na conta. Deixamos sempre algo em torno de 10 a 15% como gorjeta (não deixar é deselegante). Aceitam cartões.

Funcionamento: diariamente, para almoço e jantar, a partir das 10h. Cozinha até às 22h30/Bar até 00h.

Gouverneur de Rouville

Mais informações, no site www.de-gouverneur.com

A dica é aproveitar a ida ao Gouverneur e conhecer também o quarteirão Kura Hulanda, que, além de complexo de hotéis e pequenos restaurantes, abriga o museu que conta a história do comércio de escravos na Ilha. O Kura Hulanda fica nos fundos do Gouverneur.

– Mais restaurantes em Curaçao? Confira também Mundo Bizarro e  Waterfort Arches;

– Para organizar sua viagem ao ABC do Caribe, leia também Aruba-Bonaire-Curaçao-Dicas Úteis.

Anúncios

Scuba Lodge & Suites – CURAÇAO

11 nov

O Scuba Lodge, um hotel simpático, descontraído  e com vista para o mar, acreditem, não foi bem uma escolha nossa.  Na verdade, faltando apenas dois meses para a viagem, quem escolheu o hotel foi o limite do nosso cartão de crédito.

A RESERVA

O preço –  via Booking, fechamos 06 diárias por US$ 739,00  para um quarto duplo simples, já com impostos incluídos, mas sem café da manhã.

O atendimento – horas depois de concluir a reserva pelo Booking, recebi um e-mail do hotel, confirmando a reserva e informando sobre as condições de pagamento. Foram super atenciosos e tiraram todas as minhas dúvidas  em um inglês bem limitado (de ambas as partes), by  google translate.

O site – http://www.scubalodge.com/en/ – Como não conhecia o hotel, verifiquei o site indicado na reserva e gostei muito do que vi.

O HOTEL

Assim que chegamos, já notei a atmosfera singular do Scuba Lodge. É um hotel informal, com atendimento informal. Os funcionários não são bem funcionários, parecem parentes ou amigos que trabalham juntos e bem à vontade, descalços e com roupas leves, estilo pós-praia.

O hotel é composto por quatro imponentes casarões, dentre os quais, aqueles que,  em outra época,  já serviram de residência aos mais altos cargos políticos da pequena Ilha (0 amarelo e o verde).

Apenas o primeiro casarão (o azul) é divido em quartos individualizados, nos moldes corriqueiros de hospedagem.

Corredor dos quartos – Scuba Lodge – CURAÇAO

Neste prédio também está a recepção e o restaurante do hotel.

Os casarões seguintes (na época, em funcionamento o amarelo e o verde) são alugados por inteiro, como elegantes casas de praias que recebem grupos de até 16 pessoas (confira no site do hotel).

Uma pequena piscina  voltada para o mar atende a todo o complexo.

E outra, menos procurada e recolhida no jardim de entrada, ao lado dos quartos, também quebra um galho.

Mas o que mais gostamos mesmo foi da área verde que rodeava o prédio em que estávamos hospedados. Com a areia fina e o barulhinho do mar, proporcionava sempre a sensação de  uma praia tranquila e sombreada.

O hotel é muito procurado por turistas europeus, notadamente holandeses. Toda a equipe é holandesa e falam apenas holandês. Eles arranham um inglês e alguns deles também tentam um espanhol, mas ainda assim a comunicação é complicada.

Ponto negativo – a recpção, na prática, não funciona 24h. No dia em que fomos para Bonaire (02.08.2012), saímos às 06h e, nesse horário, encontramos a recepção fechada e não havia nenhum funcionário no portão de entrada. Além disso, como tratamos inicialmente, o serviço é bem informal. Não espere profissionais altamente preparados no ramo de hotelaria. A proposta do hotel é deixar o hóspede bem à vontade, ponto.

O QUARTO

O quarto simples era um pouco mais simples do que esperávamos. Mas, levando em consideração o contexto praiano do hotel, estava bem dentro das expectativas de qualquer casa de veraneio.

Nada de tapetes, nada de carpetes, nada que fugisse ao roteiro sol, mar e areia.  O item mais luxuoso era o ar condicionado que, em Curaçao, é algo irremediavelmente necessário. Ah! E um frigobar também, cujo o conteúdo tinha preços tão desanimadores, que era melhor que estivesse vazio.

Nada de telefone ou interfone, piorou secador de cabelo. Banheiro de chuveirinho e sem box, apenas cortininha, de tecido ainda por cima.

Fora isso, Pay Tv e Internet Wi-Fi da boa, mas para isso tive que levar meu note até a recepção para que eles configurassem o primeiro acesso.

O ponto extremamente negativo foi o fato de não haver nenhuma tomada próxima aos espelhos ( e agora, José? Como arrumar os cabelos?)

E outro ponto negativo foi o fato deles esquecerem  de deixar o piso de banheiro na troca das toalhas. Resultado, sem o pano,  após o banho o banheiro virara uma lagoa.

As tomadas, quadradas  de três pinos. Havia um adaptador no quarto, mas é sempre bom você levar o seu. Voltagem 110v.

O CAFÉ DA MANHÃ

Embora não estivesse incluído na diária, o café da manhã era tão irresistível que nos levou US$ 100,00 na hora de fechar a conta – US$ 12,50 por pessoa a cada manhã.

Mas a chance de começar o dia comendo pãezinhos frescos e suquinhos de frutas, com os pés na areia, à sombra de um coqueiro e olhando para esse mar, era tentação demais para pensarmos em economia.

Não bastasse a vista, a proposta despojada também matou o gato de curiosidade. O desjejum chegava em cestas térmicas e nós mesmos íamos montando nossa mesa, tipo piquenique… À beira do mar do Caribe, vale lembrar! 😉

Poucos itens e tudo muito simples – pães, geleias, iogurte, frutas e ovos – mas o conjunto da obra fez aqueles suados US$ 100,00 valerem a pena.

 

A LOCALIZAÇÃO

O Scuba Lodge está localizado em Pitermaai, coladinho ao mar, no trecho entre a “lagoa” Waaigat  e a Igreja de Pietermaai.

Já tratamos da localização de Pietermaai no post Entendendo Willemstad. Confira no mapa:

Como já disse em outros posts, Pietermaai é uma região tranquila, menos badalada, mais frequentada por holandeses e turistas europeus.

Pietermaai – Willemstad – CURAÇAO

O hotel fica ao lado de um requisitado restaurante, o Saint Tropez Oceanclub, e também está próximo do Mundo Bizarro, outro restaurante muito procurado em Willemstad.

Para Punda e Otrobanda  já rende uma boa caminhada e, à noite, como em qualquer lugar, é melhor evitar estar caminhando por alguns trechos do bairro, desertos e com pouca iluminação. Por essa razão, acredito que para ficar no Scuba Lodge o melhor é estar de carro (ou de moto, como foi nosso caso). Mas o hotel não tem estacionamento privativo, o carro tem que dormir na rua.

ESCOLA DE MERGULHO

Uma última dica bacana sobre o Scuba Lodge (como o próprio nome indica) é que, além de hotel, também é uma escola de mergulho e oferece, além dos cursos, o aluguel do equipamento. Mas tudo fora da diária. O serviço é aberto ao público. Confira no site do hotel.

No mais, para curtir Curaçao…

Primeiro, entenda Willemstad.

Depois, arrume uma praia bacana para relaxar:

Caracasbaai

Pirate Bay – Pisacadera

E antes de voltar para hotel, uma pausa merecida para comer bem:

Waterfort Arches

Mundo Bizarro

Blue Bay Beach – CURAÇAO

4 set

Tudo bem! Blue Bay não é uma daquelas praias cinematográficas e imperdíveis de Curaçao, de parada obrigatória. Mas, vá lá! Se estiver de bobeira e não estiver afim de rodar 40 Km, ela quebra um galho muito bem quebrado.

A praia em si, não fosse a areia muito muito pedregosa e algumas pedrinhas mais ariscas logo na parte mais rasa, seria perfeita.

 Como sempre, aquela água tranquila, cristalina, relaxante e reluzente, sem defeito, desde que você esteja calçado para não ser incomodado pelo assoalho hostil.

Sejamos tolerantes. Uma coisa é ter praia, outra coisa é ter mar. Curaçao  tem mar, mas não praia e, como praia artificial, Blue Bay realmente está precisando de uma manutenção no seu estoque de areia. Fora isso, vamos ser justos, Blue Bay é uma gracinha!

Um cantinho tranquilo, distante da badalação. Até uma máquina fotográfica mais afoita (como a minha) causa estranheza aos seus banhistas discretos.

A Baía, na verdade, é um extenso condomínio com campos de golfe e também um hotel (por isso, você, inicialmente, irá se deparar com uma guarita).

Para “os normais” – que não moram no condomínio, tampouco estão hospedados no hotel –  o acesso à praia, claro, é pago. E caro (pelo menos nós, habituados com nosso extenso litoral gratuito), OITO DÓLARES por pessoa.

Superada a fisgada da bilheteria, a estrutura traz suas compensações (sobretudo pela piscina). As espreguiçadeiras, para nossa alegria, também já estão incluídas nos oito dólares.

A praia conta ainda com um conceituado bar e restaurante, Azzuro.

Depois dos 16 dólares deixados na portaria, ficamos apenas no quiosque da praia, Blue Bites Kiosque.

E  foi o acerto, já que os petiscos são uma delícia e servidos com todo requinte de comida grã-fina. Pedimos uma porção de crostinis de tomate, queijo e  manjericão (bruschetta, na verdade). Divina!

Porção de Crostinis – US$ 8,35

E para molhar o bico, tirando onda de gente fina, uma dose de Curaçao Blue. Divino também!

Antes de ir embora, um merecido banho de piscina para fazer valer os oito dólares 😉

COMO CHEGAR

A Blue Bay fica  aproximadamente a 15 km de Otrobanda, em Willemstad (clique no mapa para ampliar).

– Mapa na íntegra disponível no Google Maps

Para chegar, você deve sair de Otrobanda sentido Westpunt e Hato Airport:

Ao chegar na primeira rótula (que dá acesso à Piscadera), continue seguindo direto, sentido Hato Airport. Alguns quilômetros à frente você verá, à esquerda, a placa sinalizando a entrada para a Blue Bay:

RESUMINDO

Praia: Blue Bay Beach – 15 Km do centro de Willemstad.

Acesso: pago – 8 dólares por pessoa ( em agosto de 2012)

Estacionamento: Disponível . Incluído no valor da entrada.

Para comer: Restaurante Azzuro e Blue Bay Kiosque.

Site do Hotel: http://hotel.bluebay-curacao.com/

Para curtir Curaçao…

Primeiro, entenda Willemstad.

Depois, arrume uma praia bacana para relaxar:

Caracasbaai

Pirate Bay – Pisacadera

E antes de voltar para hotel, uma pausa merecida para comer bem:

Waterfort Arches

Mundo Bizarro

Entendendo Willemstad – CURAÇAO

2 set

WILLEMSTAD, capital de CURAÇAO, é uma cidade tranquila, charmosa, com um centro histórico colorido por prédios e casarões coloniais que mais parecem cenário de cidade cenográfica.

Lindinha demais! Assim é Willemstad. Entenda a colorida capital de Curaçao  no mapa e nas fotos correspondentes:

1. PUNDA – Região mais badalada de Willemstad, famoso centrinho procurado pelos turistas, principalmente para compras. Na foto, Handelskade, a ruazinha estreita que beira a Baía de Santa Anna:

2. PONTE QUEEN EMMA – ponte móvel localizada na entrada da Baía de Santa Anna. Apenas para pedestres, liga Punda a Otrobanda:

3. OTROBANDA – A “outra banda” da Baía de Santa Anna é a região onde está o comércio local de Willemstad. Ainda assim, tem muitos atrativos turísticos. Na foto, Brionplein (a praça). Ao fundo, o conjunto de prédios coloridos é o Hotel Howard Jonhson:

4. KURA HULANDA – quarteirão tombado pela Unesco. Hoje abriga museu, um complexo hoteleiro e restaurantes:

5. RIF FORTE – o antigo forte – na entrada da Baía, em Otrobanda –  foi restaurado e hoje é um elegante centro comercial, com lojas e bons restaurantes:

6. PONTE QUEEN JULIANA – a altíssima e vertiginosa ponte para veículos, também na baía de Santa Anna:

7. MERCADO FLUTUANTE – o famoso mercado de barcos ancorados. Uma sequência de barracas de frutas e verduras trazidas da Venezuela:

8. MUSEU MARÍTIMO DE CURAÇAO – museu interessante. A lojinha de presentes por si só já faz valer a visita. Um requintado restaurante funciona no andar superior:

9. MERCADO CENTRAL (New Market) – mercado popular central, onde você vai encontrar de barracas de pastéis a óleos para bronzear:

10. WAAIGAT – canal que se abre na Baía de Santa Anna, na margem de Punda, formando um lagoa que divide a região de Pietermaai (à direita) e Scharloo (à esquerda):

11. FORTE AMSTERDAM – antigo forte, hoje abriga orgãos do Governo de Curaçao:

12. CURAÇAO PLAZA HOTEL & CASSINO – o único prédio alto erguido na entrada da Baía de Santa Anna, em Punda. Embora ainda funcione normalmente, o serviço eu não sei, mas o  aspecto é bem decadente:

13. WATERFORT ARCHES – uma área de restaurantes, à beira mar, nos arcos de um antigo forte:

14. PIETERMAAI – região mais holandesa de Willemstad, povoada por imponentes casarões coloniais. Embora guarde muito da história de Curaçao, ainda é  menos procurada que Punda e Otrabanda pelos turistas:

E saiba também…

Straat é rua;

Brug é ponte;

Plein é praça;

Weg é rodovia.

E se quiser continuar passeando por CURAÇAO, lá vai:

ABC do Caribe – Dicas Úteis

Queijos e Licores  (compras)

Waterfort Arches (restaurante)

Mundo Bizarro (restaurante)

Caracasbaai (praia)

Pirate Bay – Pisacadera (praia)

Desarrumando as malas em Curaçao

MUNDO BIZARRO – CURAÇAO

1 set

Faz um tempão que queria falar do Mundo Bizarro. Desde a primeira vez que estive lá (em dezembro de 2011) e fiquei caidinha pelo lugar.

Ele aparece em praticamente todas as revistinhas turísticas (e gratuitas) de Curaçao. De alguma forma, uma vez por lá, você acabaria ouvindo falar dele, embora fique numa ruazinha residencial, afastada do miolo mais badalado de Punda, em uma região colonial de Willemstad – Pietermaai – que, embora tenha grandes pretensões, ainda é pouco explorada pela turistada.

Bequinho do Miles (Bar e Restaurante) na Nieuwestraat – Pietermaai Smal

Mais que um lugar para sentar e comer, o Mundo Bizarro, disposto em um sóbrio casarão colonial, é também para ser apreciado com seu estilo misturada retrô que acaba formando uma bagunça bric-à-brac charmosa.

Tudo é atraente. Cada cantinho, cada vasinho, cada coisinha pendurada nas janelas.

Se for sua praia, sente no Bar – decorado por um mosaico de azulejos coloridos –  e peça qualquer um dos reputados drinks de seu cardápio.

No mais, procure um lugar arriba ou abajo para sentar, relaxar e fazer seu pedido, sempre ao som de boa música e atendimento meeeiro (50% simpatia/50% indiferença).

Na primeira vez, fomos depois da 19:00h e já pegamos o menu do jantar. Dessa vez, chegamos lá pouco antes das 17:30 e nos ofereceram apenas o cardápio de, digamos, petiscos:

Tudo em holândes, o que facilitou bastante a nossa escolha (como você pode perceber). Depois de alguns minutos vendo e revendo o cardápio (como prova de múltipla escolha que você não sabe a resposta, mas precisa acertar), pedimos um crostini platter (e seja o que Deus quiser):

Crostini Platter – 15,75 Naf

Por sorte, acertamos! A incógnita era apenas um combinado de torradas cobertas por frango, carpaccio, peixe e um preparado de tomate com queijo.  Para não errar, fechando nosso happy hour, pedimos um café:

E chocolade pralines ( que não tinha nada de praliné), apenas cinco bombons. Bem sem graça:

Em dezembro (2011), jantamos uma massa e, como sobremesa, petit gateau e um café com amaretto (o mais gostoso dos três pedidos). Como não sobrou nenhuma foto, fica só a breve referência. Dessa vez ficamos só nos bites mesmo:

COMO CHEGAR

Como falamos no início, o restaurante fica em Piertermaai, na Nieuwestraat 12, em Pietermaai Smal. E você, certamente, a esta altura está se perguntando o que tudo isso quer dizer. Confira no mapa (sendo A=Nieuwestraat):

Pietermaai é uma espécie de bairro de Willemstad. Fica imediatamente após o centrinho de Punda. Na verdade, começa  após este centro, entre a linha do mar e a lagoa – Waaigat.

É um bairro colonial, pontilhado de antigos casarões. É também uma área mais holandesa, mais frequentada por europeus.

Estando em Punda ou Otrobanda, próximo à ponte móvel, dá para ir a pé. Rende uma boa caminhada, de aproximadamente 1 quilômetro, mas é praticamente uma linha reta. Confira no mapa, sendo a Breedstraat a rua da esquina da Penha:

RESUMINDO

O QUE:  Mundo Bizarro

PARA QUE: para uma boa comida, excelentes drinks, ambiente charmoso e boa música.

PARA QUEM: para todos. Ambiente jovial, familiar, sem restrições. Mas é melhor ir mais arrumadinho (troque o chinelo por uma sapatilha. Já está de bom tamanho).

ONDE: Nieuwestraat, 12, Pietermaai Smal, Willemstad, Curaçao.

A QUE HORAS: Diariamente, a partir das 10h, para almoço, snacks e jantar.

SITE: www.mundobizarrocuracao.com

NO MAIS: aproveite para bater perna por Pietermaai, apreciando suas ruas e bequinhos de arquitetura colonial.

– Imagem acima: material distribuído gratuitamente pelo BIG RED ISLAND GUIDE.

– Todas as informações constantes neste post, inclusive valores e horários, referem-se a agosto de 2012.

MAIS SOBRE CURAÇAO? VEJA TAMBÉM:

ABC do Caribe – Dicas Úteis

Queijos e Licores

Waterfort Arches

Caracasbaai (praia)

Pirate Bay – Pisacadera (praia)

Desarrumando as malas em Curaçao

PIRATE BAY – PISCADERA.CURAÇAO

26 ago

A Pirate Bay é mais uma das praias curtinhas e agradáveis de Curaçao, em Piscaderabaai, a dez minutos de Otrobanda, em Willemstad.

A prainha resumida fica espremida em uma estreita e curta faixa de areia e árvores,  ao lado da praia do Hilton Hotel.

Consiste, basicamente, em uma Barraca bem estruturada, cercada por areia providenciada coberta por algumas mesinhas, cadeiras e um píer que avança para a baía, mais uma vez com aquela água cristalina de tirar um suspiro até dos mais apáticos.

Mais um lugar para simplesmente se lançar ao mar e curtir o momento, esquecendo as horas lá fora, esturricadas no sol escaldante.

Essas águas tranquilas das praias artificiais de Curaçao faz qualquer banho de praia ter a mesma serenidade de uma piscina, quebrada apenas pelas pedras da parte mais rasa (razão pela qual, mais uma vez insisto em lembrar que é bom estar calçado).

Já falamos também que a areia é sempre pedregosa. Aqui nem tanto. A parte mais rasa tem seixos e pedrinhas bem incômodas.  Mas, pense bem, com aquela água translúcida, quentinha e calma… Areia fina pra que? Até porque, com o sol atordoante de Curaçao, você vai curtir muito mais ficar na água que na areia.

Além disso, aprenda desde já, praticamente nenhuma praia turisticamente estruturada em Curaçao é de graça. A Pirate Bay é uma das praias particulares da ilha e para entrar foi preciso desembolsar  10 dólares (17,50 Naf)  por duas entradas e duas cadeiras (sim, você deve pagar pelas cadeiras também – que saíram a 5,00 Naf, cada). Confira os preços na tabela exposta logo na entrada:

Nossa mesa (grátis) e nossa cadeira de 5 florins.

Para compensar, o atendimento é simpático, o banho de mar é relaxante e a comida é muito bacana. E o melhor, cardápio em inglês (uma dádiva em Curaçao):

Nosso pedido… Abre parêntese… Sei que você está esperando algo tipo mariscada ou camarão… Fecha parêntese… Mas, contrariando toda lógica de comida beira de praia, pedimos uma massa perfeita com frango, cream cheese e bacon:

Massa com frango, cream cheese e bacon – US$ 16,75 (comer “macarrão” com essa vista… Não tem preço kkkkkkkkk)

E a conta, já vem com o índice do conversão (1,77)  de Florim para Dólar… E outra… Você paga na hora, assim que recebe o prato.

COMO CHEGAR

Em Willemstad, você deve seguir até Otrobanda e pegar a rótula localizada atrás do Renaissance Mall (Rif Fort). Siga direto, sentido Aeroporto (nas placas, Hato Airport). Na primeira rótula, vire à esquerda, onde a placa indica Piscadera. Pronto. Seguindo nesta via você irá se deparar com Hilton (na foto abaixo, o prédio de lateral azul quase celeste). O acesso à Pirate Bay está bem ao lado do hotel:

RESUMINDO

Praia: Piscaderabaai

Barraca: Pirate Bay – entrada paga.

Site: http://www.piratebaycuracao.com/

Localização: Piscadera, ao lado do Hilton Hotel.

Horários: aberto para café da manhã, almoço e jantar

– Imagem acima – material distribuido gratuitamente pelo BIG RED ISLAND GUIDE.

Obs.: Todas as informações contantes nesse post, inclusive valores e horários, referem-se a agosto de 2012.

MAIS SOBRE CURAÇAO?  Yes! We have! rs rs

ABC do Caribe – Dicas Úteis

Queijos e Licores

Waterfort Arches (restaurante)

Mundo  Bizarro (restaurante)

Caracasbaai (praia)

Desarrumando as malas em Curaçao

CARACASBAAI – Curaçao

26 ago

 O nosso planejamento de viagem em Curaçao consistia em: todo dia de manhã eu abria o mapa, corria o dedinho por aquele monte de palavrinhas até achar uma que me intrigasse. Foi assim que encontrei a Caracasbaai (onde, baai = baía).

Clique no mapa para ampliar.

 Claro que corremos o risco da nossa escolha ser a maior furada, mas em Curaçao acho difícil. Todo cantinho tem alguma coisa para oferecer e a Caracasbaai, bem local e bem rústica, para nós foi um achado.

Vindo de Willemstad, você pode seguir direto, sentido SeaAquarium Beach, e de SeaAquarium Beach continuar seguindo até se deparar com a baía.

Nós optamos por seguir pela rodovia Caracasbaai weg e… Depois de rodar, se perder, se achar e se perder de novo, indo parar até no Presídio de Curaçao, conseguimos achar a baía (acredito que por SeaAquarium deve ser mais fácil).

Assim que chegamos, já nos encantamos com o repetitivo e sempre fascinante mar azul piscina de Curaçao.

E quem  disse que Curaçao só tem praias pagas? Caracasbaai é de graça e, talvez por essa razão, é bastante procurada pelos locais com suas farofadas locais, até porque, não só a praia é de graça, como também a meia dúzia de palhoças com mesinhas. Praia para todos, minha gente! 😉

A praia é curtinha e bem estreita. A areia é pedregosa e há pedras na parte mais rasa (ideal entrar na água calçado para se proteger). Tudo isso é bem básico em Curaçao. A novidade fica por conta de alguns “focos” de sujeira. Mas, como sempre, a água é cristalina, tranquila e quentinha.

Fomos num dia de semana e já encontramos todas as mesas ocupadas. Aos finais de semana deve lotar. Eu acho que ir nos dias mais tranquilos deve ser mais interessante. Mais à frente, encontramos uma área mais isolada, onde não havia ninguém, nem mesinhas. Em compensação, tínhamos aquela água toda só pra nós! (sem sujeirinhas inconvenientes) 😉

De quebra, nos deparamos com uma paisagem belíssima, aos pés do Forte Beekenburg (1703).

Um lugar solitário, deserto e silencioso, meio Lost (não sei se aos finais de semana fica tão Lost assim):

Queríamos explorar mais, mas todo aquele mato rodeado de nada, sem um pé de gente pra contar história, acabou nos intimidando… Preferimos tirar todas as fotos possíveis sem descer do carro e voltar para a parte mais movimentada da baía.

Depois do banho, paramos para almoçar no único restaurante das imediações: o Pops Place. Nada mais que uma cabana de madeira bem simples, às margens da baía. Simples e bem nativo, na exata medida do que procurávamos.

Os preços também (em florins) nos pareceram bem atrativos e casando a fome com a vontade de comer e gastar pouco, estacionamos nossas barriguinhas no “Place”:

Ocorre que o cardápio estava nos dois idiomas locais, papiamento e holândes (ambos igualmente incompreensíveis) :

Como disse no post anterior, ou você vai de uni-duni-tê ou procura rapidamente alguma foto de qualquer coisa para tentar explicar o que quer. O Hélio foi de foto:

E eu, quando bati o olho em nuggets, não tive dúvida, certa de que “nugget” é algo universal:

Note que você entende o que é “galiña”, mas o que seria a “pia”?

Embora muitos nesse momento possam estar me criticando por gastar um almoço em restaurante com nuggets, acabou que o prato foi uma grata surpresa. Não pelos nuggets, que são iguais (e gostosos) em qualquer idioma, mas pelos molhos e pela salada tropical (com abacates) que acompanhavam:

Esse molhinho avermelhado, algo tipo um agridoce suavemente apimentado, custou a sair da minha cabeça. O molho mais escuro, sob os nuggets, mais encorpado e suavemente temperado, também muito bom, deram um toque gourmet a um prato injustamente rotulado de Mc Lanche Feliz 😉

O Hélio queria um peixe, mas no cardápio era impossível decifrar onde o peixe estava. Nas fotos, ele mostrou o tão sonhado prato para a atendente, quando então descobriu que peixe é “piska” e o seu pedido nada mais era que um “piska korá”.

Piska Korá – 30 Naf (florins)

Quando o Piska chegou, lindo, crocante e dourado, em pouco tempo virou peixe de desenho animado (o que demonstra, de fato e de foto, o quanto superou nossas expectativas), também acompanhado pela salada tropical de abacates:

O atendimento é lento e, por ser um lugar mais frequentado por locais, eles arranham, bem arranhado, um inglês enrolation. A comida, sobretudo o piska, demora a sair, mas quando chega, faz tudo valer a pena. E a conta não assusta.

Os preços estão em florins, mas eles aceitam dólares. Contudo, pagamos em dólar e recebemos o troco em florin. E… Furada… Esqueci  de perguntar se aceitam cartões… Distraída com a tranquilidade azulada da vista 🙂

Resumindo:

Praia: Caracasbaai – gratuita

Acesso: via Caracasbaai weg ou pela via de acesso a SeaAquarium Beach (acesse o mapa completo de Curaçao aqui).

Pontos de interesse:  Banho/ Snorkel / Forte Beekenburg.

Para comer: Pops Place – comida regional

Estacionamento: gratuito

Dica: a Caracasbaai fica coladinha em Spanish Water (Spaanser Water), uma região bastante procurada em Curaçao.

MAIS SOBRE CURAÇAO? Temos sim! 😉

ABC do Caribe – Dicas Úteis

Queijos e Licores

Waterfort Arches

Desarrumando as malas em Curaçao